Assinatura que barateia a conta de luz? confira já !

Assinatura que barateia a conta de luz

Com o aumento das contas de luz e a bandeira tarifária levantada durante a maior parte de 2021 devido à forte seca que assolou o país no ano passado, o empresário Fredy Rodrigues, dono de duas padarias, em Santos no litoral paulista buscava uma forma de reduzir suas contas de luz.

Anuncios

O serviço promete economia de 10% a 15% nas contas e já conta com mais de 5.000 consumidores no país alcançados.*100005 *
Preparamos o orçamento para instalação de painéis solares no telhado. Mas nossa propriedade não é propriedade e o investimento seria muito alto, lembra Rodrigues.

Com o serviço, ele economizou em média 12% na conta de luz todo mês.

Dado o custo do pão e do aluguel pressionados pela inflação e queda de receita devido ao fechamento de universidades e prédios comerciais em meio à pandemia , ele então conheceu a energia solar por assinatura.

Com uma economia de 10% a 15% , que é menos de R$ 2.000 por mês de despesas. No ano estamos falando de economia de R$ 48 mil e uso de energia limpa. Já conversei com o departamento de marketing da empresa para fazer este anúncio porque estamos no meio de três universidades e os mais novos têm uma visão diferente.

Anuncios

Brasil contava com 5.635 unidades

As padarias Fredys fazem parte de um grupo ainda pequeno, mas é crescendo ano após ano.

Em março deste ano, o Brasil contava com 5.635 unidades consumidoras movidas a cogeração solar, modalidade viabilizada no Brasil em 2015.

No primeiro ano, 45 consumidores utilizaram o modelo. Dois anos depois, são 376. O número cresceu para mais de 1.500 consumidores em 2019 e mais de 5.000 em 2021, com 1.610 unidades geradoras atualmente produzindo energia para atender a esse mercado em crescimento.

Solar Power Generation

A geração de energia compartilhada nasceu em 2015 quando a Aneel percebeu que a geração de energia solar no Brasil não estava crescendo tão rápido quanto poderia diante do potencial existente, diz Guilherme Susteras, coordenador do grupo de trabalho para geração distribuída de energia na Absolar, associação representativa do setor.

Um dos gargalos identificados na época era que 75% das unidades consumidoras não tinham capacidade técnica para obter sistemas de geração de energia fotovoltaica. Falamos das pessoas que moram em apartamentos, da estrutura dos telhados brasileiros e do fato de que a maioria das pessoas e pequenos negócios moram em imóveis alugados.

A experiência internacional serviu de modelo para o sistema brasileiro de geração compartilhada.

O modelo de comunidade solar, que começou na Alemanha e depois se espalhou pela Europa e Estados Unidos, era baseado em cooperativas ou consórcios de consumidores , que em conjunto permitiram a instalação de pequenas usinas que compartilham a energia produzida, mesmo distantes do ponto de consumo.

Algumas empresas viram na mudança regulatória que criou a modalidade de geração remota no Brasil, uma chance para isso oferecer um novo serviço no país: energia solar por assinatura.

Conta de luz Netflix

Foi o caso, por exemplo, da Sun Mobi, empresa fundada em 2016 que atua nesse segmento e atende atualmente 300 clientes em 27 municípios do estado de São Paulo.

Surgiu a oportunidade de colocar o parque solar numa zona. Ela produz energia para a distribuidora e essa energia é vendida na forma de créditos que podem ser deduzidos de qualquer conta de luz desde que estejam na mesma área de concessão da distribuidora, explica Alexandre Bueno, um dos sócios da empresa.
É como se o cliente tivesse um painel virtual, ao invés de colocar o painel em seu prédio, ele gosta de gerar a planta remotamente, explica Alexandre Bueno

Como é a produção de energia?

Por exemplo, um morador com consumo médio mensal de 200 quilowatts-hora por mês (kWh/mês) na área de concessão da Cemig, distribuidora que atua em Minas Gerais, comprará crédito de uma empresa de energia solar por assinatura também atuante no Estado de Minas Gerais. área Gerais. da Cemig.

A empresa comissionada alimenta a energia solar gerada na rede e os créditos são debitados da conta do consumidor. No modelo, o consumidor fica livre da bandeira tarifária – benefício introduzido pela Aneel para estimular a produção de energia limpa próximo aos locais de consumo.

E, em geral, a energia é negociada em proporção favorável à adquirido ao revendedor, também com previsíveis novos ajustes de acordo com o contrato acordado.

É como se o cliente tivesse um painel virtual, ao invés de colocar o painel em seu prédio, ele gosta de gerar a usina a partir do Ferne e a distribuidora faz a compensação, diz Bueno.

Assinatura que barateia a conta de luz
Assinatura que barateia a conta de luz
FONTE GOOGLE

Como adaptar?

Então pensamos em como adaptar esse modelo para a realidade do consumidor que assina Netflix, Disney, HBO hoje de forma bem flexível. Ele paga enquanto usa o serviço; Se você não quiser mais, cancele sua assinatura gratuitamente. E você não precisa pagar nada para entrar. Então, com esse modelo, o cliente não investe nada e usufrui da geração da usina quase que imediatamente, em no máximo 60 dias, afirma.

 

Veja mais artigos como esse sobre Assinatura que barateia a conta de luz

You May Also Like